Estreito - Ponte Hercílio Luz

Estreito

O bairro Estreito está localizado na parte continental do município de Florianópolis e é o mais próximo da Ilha de Santa Catarina. Trata-se de uma região bastante dinâmica, pois mescla grandes condomínios e prédios residenciais com uma verdadeira infinidade de opções em termos de comércio e lazer.

A principal avenida do bairro chama-se Fúlvio Aducci e é nela que se concentra a maior parte do comércio e das opções gastronômicas da região. É possível encontrar filiais de grandes supermercados como Imperatriz, Comper, Rosa e Angeloni. A rede atacadista Makro também marca presença.

Importantes órgãos públicos e unidades militares estão localizados no Estreito, como o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), a Escola de Aprendizes Marinheiros, o 63º Batalhão de Infantaria e o Núcleo de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR). Por lá, ainda encontramos a Biblioteca Municipal Professor Barreiros Filho, que oferece cursos e desenvolve projetos gratuitos para a comunidade local. No quesito saúde, há a Policlínica do Continente, o Hospital Florianópolis e diversas clínicas.

No coração do bairro, fica o estádio Orlando Scarpelli, sede do Figueirense Futebol Clube, que além de receber os jogos dos principais campeonatos de futebol do país, também serve de palco para alguns dos maiores eventos culturais da cidade. Em termos de lazer ao ar livre, o Bosque Pedro Medeiros se apresenta como uma opção para todas as idades com suas trilhas ecológicas, viveiros e áreas para piqueniques. Já a praça Nossa Senhora de Fátima possui uma quadra poliesportiva, outra de futebol de areia e um parque infantil.

Todos os anos, durante o mês de maio, ocorre a tradicional Festa do Divino Espírito Santo do Santuário de Nossa Senhora de Fátima. Para os amantes de uma bela vista, do alto do morro dessa igreja é possível visualizar a Baía Norte e uma parte da porção oeste da Ilha.

publicidade

História

O Estreito tem esse nome porque é a parte do continente mais próxima à porção insular da capital. Pertencente ao município de São José até a metade do século XX, o bairro tornou-se um local dinâmico devido à circulação de pessoas e mercadorias que tinham como destino Florianópolis.

A partir da década de 1920, o continente passou a ser o espaço de lazer para alguns dos moradores da Ilha. Devido à dificuldade de acesso às praias do norte, as praias de Coqueiros, Itaguaçu, Bom Abrigo e Balneário do Estreito, com suas águas calmas e límpidas, tornaram-se o destino das classes abastadas de Florianópolis. Com o passar do tempo, suas casas de veraneio despontaram na região.

Até a inauguração da Ponte Hercílio Luz, em 1926, a principal via utilizada no percurso ilha-continente era a marítima. No entanto, as condições climáticas deveriam ser favoráveis para que as travessias pudessem ocorrer. Por conta disso, o bairro possuía diversas estalagens que se encarregavam de abrigar comerciantes e forasteiros. Por ali também havia um importante abatedouro; o gado que chegava da região serrana era abatido no continente e transportado para a região insular via mar. Desse modo, não demorou para que o Estreito se tornasse um importante ponto de trocas culturais e econômicas.

Em 1930, com a vitória do movimento varguista, o distrito do Estreito passou a chamar-se João Pessoa. Esse fato não foi muito bem aceito pela população e pela imprensa local, o que fez com que o bairro não demorasse a recuperar seu nome original. A implantação das redes básicas de energia elétrica, do sistema de fornecimento de água e da rede de esgotos somou-se à construção da Ponte Hercílio Luz, a fim de potencializar o processo de desenvolvimento urbano.

O Estreito foi oficialmente incorporado a Florianópolis em 1944. Essa reestruturação dos territórios da Grande Florianópolis, fruto de um decreto-lei promulgado por Getúlio Vargas, considerou para tais mudanças uma série de aspectos: a inferioridade territorial de Florianópolis frente a outras capitais brasileiras, o crescimento ocasionado pela ponte Hercílio Luz, o grande contingente de funcionários e operários que trabalhavam na capital e residiam no continente e a pouca assistência que a prefeitura de São José destinava ao Estreito. Este último argumento é um tanto peculiar, visto que a prefeitura de Florianópolis dava pouca assistência aos locais mais longínquos dentro da própria Ilha.

Outro evento importante marcou a história do Estreito na década de 1940: a transferência da sede do Figueirense Futebol Clube para a região. Orlando Scarpelli, um industrial, cedeu um de seus terrenos para a construção de um estádio para o clube. Em retribuição, a construção foi batizada com o seu nome.

A partir da década de 1960, a cidade passou a se desenvolver de forma cada vez mais acelerada. Desde então, o continente vem crescendo de forma desenfreada, especialmente por conta da especulação imobiliária.

Recentemente, houve a conclusão de uma importante via no Estreito, a Beira Mar Continental, paralela à Fúlvio Aducci. Com um projeto idealizado na década de 1950 e trabalhos iniciados apenas em 2004, a obra foi concluída no início de 2012. Várias foram as consequências ambientais, visto que foi preciso aterrar toda a extensão da rodovia.


publicidade

publicidade

publicidade

publicidade