Universo Mágico de Franklin Cascaes

Conto A Bruxa Metamorfoseou o Sapato


Dicas de Cultura

  • Antiga Casa de Nereu Ramos

    Casa de Nereu Ramos

    Quem passeia pelo centro, entre prédios comerciais e repartições públicas, logo nota uma imponente casa amarela, em meio a jardins,...
    Leia Mais

  • Relógio da Western Telegraph

    Relógio da Western Telegraph

    A Western Telegraph Company, mais conhecida pelos moradores de Florianópolis como "Cabo Submarino" era uma empresa Inglesa responsável pela operação...
    Leia Mais

“O Sabinano da Ponta das Canas, tinha uma filhinha embruxada, que até metia dó à própria bruxa que a vinha sacrificando há muitos meses.

Aconselhado por amigos, ele passou a tratar a criança com um benzedor que morava na praia dos Ingleses.
O benzedor chamava-se Sotero das Capivaras e era um famoso curador de doenças dos outros mundos. Mas o tratamento que ele vinha aplicando para a criança do Sabiano não estava a produzir resultados satisfatórios.
O dia marcado para ele voltar a casa do benzedor foi uma sexta-feira.
De manhã bem cedo, o Sabiano levantou-se arrumou o gado no potreiro, tomou cafe, lavou os pés na gamela promode os havia sujado, enxugou-os, e pediu à mulher que lhe apanhasse os sapatos que estavam pendurados nos caibrosdo telhado da varanda.
A mulher dele, a Sotera, foi apanhá-los, mas só encontrou o sapato do pé direito, o outro não estava.
Procuraram em toda a casa, mas cuáli nada, não tava em nenhum lugar.
Pensou consigo: deve ter sido o cumpadre Zé Maratato.
Aquilo anda sempre pricurando coisas mode fazer das suas…
O tempo tá seco e o mihió memo prá mode a gente caminhá é descalço.
Apanhou uma cesta tecida de folhas de tabua, botou um vidro branco dentro e rasgou os pés no caminho, na direção dos rios das Capiras dos Inglêses.
Consultou o doutro curandeiro, apanhou o remédio e mandou-se de volta a caminho de casa.
Já havia caminhado um bom pedaço, quando algo chamoulhe a atenção.
Olhou na direção da Ilha Mata Fome, e se deparou com um quadro curioso e horrível: uma bruxa passando pelo mar com o sapato dele transformado num barco, com uma vela bem enfunasa quiném lancha baleeira, passeando mui calmamente.
Apavorado com o que vira, retornou a casa do benzedor e narrou-lhe o fato.
O doutro benzedor apanhou um dente de alho com casca e mandou que ele o colocasse na boca e voltasse descançado para casa.
Quanto à bruxa, ele a faria perder o estado fadórico, e consequintemente, o encanto, dentro de poucos minutos.
Ele atendeu a ordem do benzedor e calçou os pés no areião do caminho, de volta prá casa.
Quando chegou no terreiro, a Sotera já estava com a notícia bruxólica na pontinha da língua quase escapulindo.
_ “Sabiano, o teu sapato apodreceu nos caibros da varanda, molhado, sujo de areia da praia, e com um furo bem inrriba do bico.”
_ Logo vi que aquela ègua ia dar-me prejuizo.
Ela furou o meu sapato prá mode meter o mastro da vela.

O Sabinano da Ponta das Canas, tinha uma filhinha embruxada, que até metia dó à própria bruxa que a vinha sacrificando há muitos meses.

Aconselhado por amigos, ele passou a tratar a criança com um benzedor que morava na praia dos Ingleses.

O benzedor chamava-se Sotero das Capivaras e era um famoso curador de doenças dos outros mundos. Mas o tratamento que ele vinha aplicando para a criança do Sabiano não estava a produzir resultados satisfatórios.

O dia marcado para ele voltar a casa do benzedor foi uma sexta-feira.

De manhã bem cedo, o Sabiano levantou-se arrumou o gado no potreiro, tomou cafe, lavou os pés na gamela promode os havia sujado, enxugou-os, e pediu à mulher que lhe apanhasse os sapatos que estavam pendurados nos caibrosdo telhado da varanda.

A mulher dele, a Sotera, foi apanhá-los, mas só encontrou o sapato do pé direito, o outro não estava.

Procuraram em toda a casa, mas cuáli nada, não tava em nenhum lugar.

Pensou consigo: deve ter sido o cumpadre Zé Maratato.

Aquilo anda sempre pricurando coisas mode fazer das suas…

O tempo tá seco e o mihió memo prá mode a gente caminhá é descalço.

Apanhou uma cesta tecida de folhas de tabua, botou um vidro branco dentro e rasgou os pés no caminho, na direção dos rios das Capiras dos Inglêses.

Consultou o doutro curandeiro, apanhou o remédio e mandou-se de volta a caminho de casa.

Já havia caminhado um bom pedaço, quando algo chamoulhe a atenção.

Olhou na direção da Ilha Mata Fome, e se deparou com um quadro curioso e horrível: uma bruxa passando pelo mar com o sapato dele transformado num barco, com uma vela bem enfunasa quiném lancha baleeira, passeando mui calmamente.

Apavorado com o que vira, retornou a casa do benzedor e narrou-lhe o fato.

O doutro benzedor apanhou um dente de alho com casca e mandou que ele o colocasse na boca e voltasse descançado para casa.

Quanto à bruxa, ele a faria perder o estado fadórico, e consequintemente, o encanto, dentro de poucos minutos.

Ele atendeu a ordem do benzedor e calçou os pés no areião do caminho, de volta prá casa.

Quando chegou no terreiro, a Sotera já estava com a notícia bruxólica na pontinha da língua quase escapulindo.
_ Sabiano, o teu sapato apodreceu nos caibros da varanda, molhado, sujo de areia da praia, e com um furo bem inrriba do bico.

_ Logo vi que aquela ègua ia dar-me prejuizo.

Ela furou o meu sapato prá pode meter o mastro da vela.”

Franklin Cascaes.

publicidade

publicidade

publicidade2

publicidade