Ilha do Arvoredo

Dicas de Turismo

  • Balneário Camboriu

    Conheça Balneário Camboriú

    Pertinho de Florianópolis está o badalado Balneário Camboriú, conhecido também por BC. Muita gente aproveita para passar o dia nas...
    Leia Mais

  • Victor Meirelles

    Museu Victor Meirelles

    Sobrado tipicamente luso-brasileiro do final do século XVIII, onde nasceu Victor Meirelles de Lima, uma das maiores expressões da arte...
    Leia Mais

Guia Santa Catarina

Balneário Camboriu

Conheça Balneário Camboriú

Pertinho de Florianópolis está o badalado Balneário Camboriú, conhecido também por BC. Muita gente aproveita para passar o dia nas... Leia Mais

Não está aberta à visitação, apenas para mergulho com empresas credenciadas.

Uma das ilhas que formam a Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, localizada 11 quilômetros ao norte da Ilha de Santa Catarina, é uma unidade de conservação de proteção integral que visa proteger uma parte importante do patrimônio natural da costa catarinense. 

Arvoredo é importante. Foi e continua abrigo natural para os navegadores em alto-mar. A ilha é grande e alta, e tem baías com águas calmas para proteger dos ventos que sopram forte na região. A baía norte esconde do vento Sudeste, que assusta no inverno. A baía do Capim, no sudoeste, abriga do vento Nordeste, que sopra mais no verão. Quando o clima fica ameaçador, todos os barcos que estão nas redondezas apontam a proa para Arvoredo. Em dias de mau tempo, as tripulações das traineiras e barcos têm encontro marcado em suas águas protegidas.

O farol, com alcance de 24 milhas, serve como bússola. Arvoredo é ponto de referência para a navegação nos mares do sul.

Fronteira biológica

Uma das duas únicas reservas biológicas marinhas do país, apesar dos 8 mil quilômetros da costa brasileira – a outra é o Atol das Rocas, no Rio Grande do Norte -, a reserva do Arvoredo engloba 17.800 hectares distribuídos pelas ilhas do Arvoredo, Galé e Deserta, pelo calhau (fragmento de rocha) de São Pedro e por toda a faixa marinha que os cerca.

Arvoredo tem uma característica especial. É uma fronteira entre as regiões Tropical e Subtropical, uma encruzilhada climática e biológica. Ali, a Corrente do Brasil, vinda do norte, de águas claras e quentes, se encontra com a Corrente das Falklands, de águas polares, transportando grande quantidade de nutrientes. Por causa disto, convivem e reproduzem no local peixes tropicais e exemplares das águas frias do sul, como pinguins e baleias. A fauna é exuberante. Camarão rosa, lulas ou vieiras, lagostas, polvos, garoupas e centenas de outras espécies, algumas delas em extinção. Sem esse criadouro natural, as garoupas, por exemplo, que levam três anos para definir o sexo e, portanto, para começar a procriar, estariam com a sobrevivência ameaçada na região. Aves marinhas como o trinta-réis ou andorinha-do-mar, a fragata, o atobá e a gaivota vivem e têm seus filhotes nas ilhas da reserva, que também servem como porto seguro para o descanso de aves migratórias. Pinguins, tartarugas, baleias e golfinhos são outros visitantes ocasionais da área, escolhida pela tranquilidade e isolamento.

Inscrições rupestres

Além da riqueza da fauna, a reserva tem outros tesouros. A Ilha do Arvoredo preserva 270 hectares de Mata Atlântica. O coqueiro gerivá é o símbolo dessa flora local. Além da mata nativa exuberante, instigantes inscrições rupestres povoam os rochedos dos costões das ilhas. Conhecidas como itacoatiaras, elas são sinais inequívocos de que o homem pré-histórico visitou o lugar, onde também deixou oficinas líticas (lugares nas pedras para manufatura de ferramentas) e sítios arqueológicos do tipo sambaqui (depósitos de conchas, restos de cozinha e esqueletos).

Por todas estas características, Arvoredo é um lugar especial para a região. No início da década de 80, esta diversidade ecológica inspirou ambientalistas a pressionarem pela criação de uma área de proteção no local.

A ação do homem

Desde 1750, quando os imigrantes açorianos que colonizaram o litoral catarinense descobriram a fabulosa piscosidade das águas locais, a pesca é explorada no local de forma artesanal ou industrial. Nas últimas duas décadas, a caça submarina e a pesca nos costões também contribuíram para a diminuição drástica de grandes peixes, crustáceos e moluscos de interesse comercial. Toda essa movimentação provocou prejuízo aos registros deixados pelas populações históricas das ilhas – alguns sambaquis foram danificados pela construção de galpões de pesca. Outra agressão, a coleta de ovos de aves marinhas em reprodução, tornou-se comum entre visitantes.

A criação da reserva

A criação da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo tornou-se realidade em março de 1990, por meio do decreto 99.142. O Ibama escolheu essa categoria de manejo depois de avaliar in loco os crescentes danos ambientais a que estava exposta a área. Reserva é a categoria de manejo ambiental mais restritiva, que impede o acesso sem autorização em sua área. As outras categorias são parques – nos quais a visita é normatizada, mas permitida -, APAs (áreas de preservação ambiental), RPPNs (reservas particulares do patrimônio natural) e outros tipos com menos restrições. A escolha pela categoria reserva ainda hoje é contestada pela população do entorno e operadoras de mergulho.

Lista de Espécies Ameaçadas protegidas nesta Unidade de Conservação, de acordo com o ICMBio: 

Estrela-do-mar – Asterina stellifera
Estrela-do-mar – Astropecten brasiliensis
Estrela-do-mar – Astropecten marginatus
Tartaruga-cabeçuda – Caretta caretta
Anêmona-de-tubo – Cerianthomorphe brasiliensis
Tartaruga-verde – Chelonia mydas
Estrela-do-mar – Coscinasterias tenuispina
Néon – Elacatinus figaro
Ouriço-satélite – Eucidaris tribuloides
Baleia-franca – Eubalaena australis
Tartaruga-de-pente – Eretmochelys imbricata
Pepino-do-mar – Isostichopus badionotus
Tartaruga-oliva – Lepidochelys olivacea
Caçonete – Mustelus schmitti
Minyocerus angustus
Estrela-do-mar – Narcissia trigonaria
Ouriço-do-mar – Paracentrotus gaimardi
Estrela-do-mar – Oreaster reticulatus
Toninha – Pontoporia blainvillei
Pardela-preta – Procellaria aequinoctialis
Albatroz-de-nariz-amarelo – Thalassarche chlororhynchos
Albatroz-de-sobrancelha – Thalassarche melanophris

Banco de dados

Esses projetos só foram possíveis graças a uma base preciosa – um detalhado banco de dados que o Ibama começou a montar em dezembro de 1994 e que atualmente é referência internacional. Por meio dele, é possível acessar, por computador, cada um dos 458 espécimes, entre fauna e flora, presentes na reserva. O cadastro revela se são residentes na área ou passam por ali em processo migratório, se estão sujeitos à extinção, seus hábitos alimentares e predadores. Uma descrição física da espécie, com direito à fotografia colorida, completa a ficha. Sem falar dos mapas e ilustrações sobre a região.

Por meio do banco de dados, pode-se conhecer detalhadamente todas as atividades humanas que ocorrem na área – pesca, mergulho, desembarque nas ilhas (que é proibido), trânsito de passagem para outros locais e passeio. Até mesmo a profundidade em que ocorre cada tipo de pesca ou o percentual de rejeito (peixes não aproveitados) são do conhecimento dos pesquisadores.

Trabalho exemplar

Este acervo é resultado de árduos meses de vigília no mar e nas ilhas, de muitas horas de mergulho, conversas com os pescadores e também de um cruzeiro oceanográfico realizado a bordo do navio de pesquisa Diadorim, da Facimar, além de exaustivas pesquisas bibliográficas.

Os monitores cadastraram 336 embarcações que passaram pela reserva, classificando-as quanto ao número de tripulantes, procedência, proprietário, petrechos (tipo de acessórios utilizados para pesca ou mergulho) e tipo de pescado. O esforço valeu a pena. Além de sensibilizar os pescadores sobre a importância da reserva para o repovoamento de espécies marinhas na região, os oceanógrafos acabaram desenvolvendo um projeto de monitoramento e tratamento de dados pioneiro em unidades de conservação no país.

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade