Ilhas Ratones

Ilhas Ratones

Dicas de Turismo

Guia Santa Catarina

Garopaba

Praias próximas: Garopaba

Por ser perto, muita gente vai surfar ou pegar uma praia em Garopaba. Conheça as várias praias perfeitas para o... Leia Mais

As Ilhas Ratones são um conjunto de duas ilhas, situadas na Baía Norte, entre a Ponta do Sambaqui e o Pontal da Daniela.

A maior das duas Ilhas, chamada Raton Grande, mede aproximadamente 620 m de extensão no sentido norte-sul e possui uma paisagem natural preservada, formada por remanescentes da mata atlântica. Em sua face norte, possui um pequeno trapiche que serve ao desembarque de turistas que visitam a Fortaleza de Santo Antônio de Ratones. O restante da ilha é ocupado pela mata, que serve de abrigo a uma grande diversidade de animais, e por costões rochosos. No extremo sul da ilha existe um conjunto de rochas muito frequentado por pescadores e mergulhadores. A ilha também possui uma trilha destinada à prática do turismo ecológico e educação ambiental, mas sua utilização somente é permitida com a presença de condutores ambientais credenciados.

Mais ao sul, afastada cerca de 700 m, está a ilha Raton Pequeno, que mede cerca de 412 m de extensão no sentido norte-sul. Totalmente tomada pela mata atlântica e cercada por costões rochosos, possui apenas duas pequenas praias, uma no lado oeste, voltada para o lado continental, e outra para o lado leste, voltada para a Praia do Sambaqui. Apesar de possuir fonte de água, na ilha não há moradias e o local serve apenas como abrigo temporário para pescadores. O acesso é permitido, mas limitado a embarcações particulares ou de passeio turístico, pois não há transporte para estas ilhas.

 

História

Já no início dos século XVI a Ilha de Santa Catarina era visitada por navegadores europeus de diversas nacionalidades: Binot Palmier de Gonneville (1504), Nuno Manuel e Cristóvão de Haro (1514), Juan Diaz de Sólis (1515), Aleixo Garcia, sobrevivente de um naufrágio ao sul da Ilha (1516), Rodrigo de Acuña e Sebastião Caboto. Mas atribui-se ao explorador espanhol Álvar Núñez Cabeza de Vaca, em 1541, o batismo das Ilhas Ratones (Rato Grande e Raton Pequeno), pois vistas de longe, assemelham-se à forma de um rato – muito abundante nos porões das embarcações daquela época.

 

A Construção da Fortaleza

A defesa da Ilha de Santa Catarina era considerada difícil, em virtude das muitas praias e enseadas que dispunha. Somente no século XVIII é que Portugal decidiu pela construção de fortificações para proteção deste território e, para isso, destacou o Brigadeiro Silva Paes. Entretanto, ainda que houvesse recebido do Rei de Portugal a incumbência de construir apenas uma
única fortificação na Ilha de Santa Catarina, Silva Paes projetou três fortalezas para guarnecer o acesso à Baía Norte: Santa Cruz (1739), na Ilha de Anhatomirim, São José da Ponta Grossa (1740), num pontal de terra ao norte da própria Ilha de Santa Catarina e Santo Antônio (1740), na Ilha de Raton Grande, mais no interior do canal.

As técnicas construtivas utilizadas não se diferenciavam das utilizadas nas construções civis daquele tempo. Predominava a alvenaria de pedra e cal, tanto na construção das muralhas quando dos edifícios. Como mão-de-obra foi utilizado trabalho de artífices, complementado pelo trabalho escravo de índios, negros, e, algumas vezes, também de membros das tropas.

Conheça mais sobre o Sistema de Fortificações da Ilha de Santa Catarina

 

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade