Igreja Conceição - Aérea

Igreja Nossa Senhora da Conceição

Dicas de Turismo

  • Casa da Memória

    Casa da Memória

    A Casa da Memória de Florianópolis é um centro de documentação vinculado à Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes. Inaugurada em 30...
    Leia Mais

  • Museu de Arte de Santa Catarina - MASC

    Museu de Arte de Santa Catarina

    Terceiro museu de arte mais antigo do Brasil. O acervo do Museu de Arte de Santa Catarina  reúne mais de...
    Leia Mais

Guia Santa Catarina

Garopaba

Praias próximas: Garopaba

Por ser perto, muita gente vai surfar ou pegar uma praia em Garopaba. Conheça as várias praias perfeitas para o... Leia Mais

Localizada junto ao Morro da Lagoa, num dos lugares mais estratégicos da Lagoa da Conceição, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição foi concluída em 1780, 29 anos depois que o governador Manuel Escudeiro Ferreira de Souza encaminhou a planta do templo para Portugal. O projeto foi aprovado pela Corte portuguesa para ser construído numa das sesmarias do fundador de Nossa Senhora do Desterro (antiga Florianópolis), Francisco Dias Velho. Esta área de sesmaria se tornou a conhecida Freguesia de Nossa Senhora da Conceição.

A Igreja sofreu muitas modificações e reparos ao longo do tempo. Em 1847, com a visita do Imperador D. Pedro II, a freguesia da Lagoa e sua Igreja receberam a quantia de 800 mil réis para pagar a custódia de prata anteriormente encomendada. Quando o Imperador voltou do Rio Grande já encontrou a custódia comprada e ficou “plenamente satisfeito com a obra e com o desenho”, conforme ofício do então vigário ao Presidente da Província. Uma nova visita do Imperador aconteceu em 1861, desta vez presenteando o templo com dois sinos, que ainda hoje encontram-se por lá.

Apesar de todas as transformações sofridas por dentro, das sucessivas repinturas, a Igreja da Lagoa ainda constitui um bom exemplo da arquitetura trazida pelos portugueses para terras catarinenses.

Tanto que em 1974, o então prefeito de Florianópolis, Esperidião Amin, assinou decreto tombando cinco igrejas que representavam a arquitetura portuguesa na Ilha: a Igreja de São Francisco de Assis, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, ambas no centro da cidade, a Igreja de Nossa Senhora das Necessidades, em Santo Antônio de Lisboa, a Igreja de Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão da Ilha e a “igrejinha da Lagoa”, como é conhecida a Igreja de Nossa da Conceição. O ato de tombamento não dá nenhuma nenhuma garantia de perpetuação, mas reconhece o valor artístico, cultural e histórico do monumento.

Em 8 de dezembro de 1999, a Igreja Nossa Senhora da Conceição foi elevada à categoria de Santuário.

Descrição

Suas paredes apresentam uma mescla de técnicas construtivas: o adobe e a alvenaria de pedra.

Possivelmente utilizou-se, também, o oleato de cálcio na argamassa das paredes, fato comum nas construções coloniais, principalmente nas regiões onde o óleo de baleia era facilmente conseguido, como em Santa Catarina. O partido tradicional, nave e capela-mor, sacristia aos fundos, comum a quase todas as igrejas da Ilha, é mantido; portada e óculo envidraçado inserido no frontão triangular, emoldurado por ornato encurvado, arrematado por cruzeiro em ferro, e enquadrado por cunhais em cantaria encimados por coruchéus.

A portada em cantaria com verga e sobreverga encurvadas, de cantaria, também, tem porta almofadada. À esquerda, a torre sineira também é emoldurada por cunhais, de cantaria, encimados por coruchéus. Sobre a sineira abobadada, arrematando-a, pináculo, cobertura em telhado de duas águas, arrematado por beiral em cimalha. Diante da igreja, no adro, um grande crucifixo.

No fim dos anos 80, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, numa parceria entre o município e o Estado, passou por um processo de recuperação arquitetônica. Entre os “ajustes” foram incluídos o telhado, forro, piso, esquadrias, paredes, parte elétrica, entre outras. A Igreja, bem como seu entorno, estão protegidos pela Lei Municipal nº 2.193, de 1985, que instituiu o Plano Diretor de Uso do Solo dos Balneários da Ilha de Santa Catarina, por considerá-los incluídos em Área de Preservação Cultural tipo Um, ou seja, “área de interesse histórico”.

Fonte: Guia do Bens Tombados Santa Catarina.


publicidade

publicidade

publicidade