Igreja Conceição - Aérea

Igreja Nossa Senhora da Conceição

Dicas de Turismo

  • Casario Antigo Ribeirão da Ilha

    Visite o Ribeirão da Ilha

    Caminhar pelas ruas do Ribeirão da Ilha é um passeio que reserva belas paisagens naturais, além de referências históricas. O...
    Leia Mais

  • Museu do Lixo

    Museu do Lixo

    Inaugurado em 25 de setembro de 2003, o Museu do Lixo nasceu da iniciativa de um grupo de funcionários da...
    Leia Mais

Guia Santa Catarina

Balneário Camboriu

Conheça Balneário Camboriú

Pertinho de Florianópolis está o badalado Balneário Camboriú, conhecido também por BC. Muita gente aproveita para passar o dia nas... Leia Mais

Localizada junto ao Morro da Lagoa, num dos lugares mais estratégicos da Lagoa da Conceição, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição foi concluída em 1780, 29 anos depois que o governador Manuel Escudeiro Ferreira de Souza encaminhou a planta do templo para Portugal. O projeto foi aprovado pela Corte portuguesa para ser construído numa das sesmarias do fundador de Nossa Senhora do Desterro (antiga Florianópolis), Francisco Dias Velho. Esta área de sesmaria se tornou a conhecida Freguesia de Nossa Senhora da Conceição.

A Igreja sofreu muitas modificações e reparos ao longo do tempo. Em 1847, com a visita do Imperador D. Pedro II, a freguesia da Lagoa e sua Igreja receberam a quantia de 800 mil réis para pagar a custódia de prata anteriormente encomendada. Quando o Imperador voltou do Rio Grande já encontrou a custódia comprada e ficou “plenamente satisfeito com a obra e com o desenho”, conforme ofício do então vigário ao Presidente da Província. Uma nova visita do Imperador aconteceu em 1861, desta vez presenteando o templo com dois sinos, que ainda hoje encontram-se por lá.

Apesar de todas as transformações sofridas por dentro, das sucessivas repinturas, a Igreja da Lagoa ainda constitui um bom exemplo da arquitetura trazida pelos portugueses para terras catarinenses.

Tanto que em 1974, o então prefeito de Florianópolis, Esperidião Amin, assinou decreto tombando cinco igrejas que representavam a arquitetura portuguesa na Ilha: a Igreja de São Francisco de Assis, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, ambas no centro da cidade, a Igreja de Nossa Senhora das Necessidades, em Santo Antônio de Lisboa, a Igreja de Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão da Ilha e a “igrejinha da Lagoa”, como é conhecida a Igreja de Nossa da Conceição. O ato de tombamento não dá nenhuma nenhuma garantia de perpetuação, mas reconhece o valor artístico, cultural e histórico do monumento.

Em 8 de dezembro de 1999, a Igreja Nossa Senhora da Conceição foi elevada à categoria de Santuário.

Descrição

Suas paredes apresentam uma mescla de técnicas construtivas: o adobe e a alvenaria de pedra.

Possivelmente utilizou-se, também, o oleato de cálcio na argamassa das paredes, fato comum nas construções coloniais, principalmente nas regiões onde o óleo de baleia era facilmente conseguido, como em Santa Catarina. O partido tradicional, nave e capela-mor, sacristia aos fundos, comum a quase todas as igrejas da Ilha, é mantido; portada e óculo envidraçado inserido no frontão triangular, emoldurado por ornato encurvado, arrematado por cruzeiro em ferro, e enquadrado por cunhais em cantaria encimados por coruchéus.

A portada em cantaria com verga e sobreverga encurvadas, de cantaria, também, tem porta almofadada. À esquerda, a torre sineira também é emoldurada por cunhais, de cantaria, encimados por coruchéus. Sobre a sineira abobadada, arrematando-a, pináculo, cobertura em telhado de duas águas, arrematado por beiral em cimalha. Diante da igreja, no adro, um grande crucifixo.

No fim dos anos 80, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, numa parceria entre o município e o Estado, passou por um processo de recuperação arquitetônica. Entre os “ajustes” foram incluídos o telhado, forro, piso, esquadrias, paredes, parte elétrica, entre outras. A Igreja, bem como seu entorno, estão protegidos pela Lei Municipal nº 2.193, de 1985, que instituiu o Plano Diretor de Uso do Solo dos Balneários da Ilha de Santa Catarina, por considerá-los incluídos em Área de Preservação Cultural tipo Um, ou seja, “área de interesse histórico”.

Fonte: Guia do Bens Tombados Santa Catarina.


publicidade

publicidade

publicidade